quarta-feira, 19 de junho de 2013

Rococó

       O nome é originário do francês rocaille, um tipo de ornamentação de superfícies com pedras e conchas, e traduz bem o que foi o reinado de Luís XV (1715-1774). Esse estilo, jocoso e decorativo, teve expressão na arquitetura, na decoração de interiores e em modismos do período, em especial na França. Distinguia-se da pompa e da formalidade do Barroco pelo refinamento, alegria, leveza e beleza.

       Mais breve do que o Barroco, o Rococó caraterizava-se pelo uso de padrões naturalistas, suaves curvas em "C" e "S", cores sutis e ornamentação delicada. O estilo, que também teve expressão na arquitetura, na decoração e nas artes em geral, traduziu-se sobretudo na moda. A indumentária do período foi elevada a uma forma de arte, exercitada com o cuidado e a atenção que tal status exigia.
      O vestido típico Rococó foi o robe à la française. Era uma evolução do vestido-saco(sack gown), ou robe volante, mas, em vez de cair direto desde os ombros, tinha pregas duplas de cada lado da costura do meio das costas para criar a impressão de amplitude na parte traseira. A frente do corpo do vestido era justa e em forma de "V", ao qual se prendia um corpete triangular. Este, por sua vez,tanto dava base ao desenho do decote como oferecia espaço para elementos ricamente decorativos, usualmente com camadas de fitas sobrepostas (échelle,"escada" em francês) ou belos enfeites. Vestidos-casacos(overgowns) abertos na frente revelavam a saia, feita do mesmo tecido e decorada com os mesmos elementos.
     Criavam-se cinturas finas e saias amplas com a ajuda de espartilhos e paniers. Literalmente traduzido como"cesto", o panier consistia num acessório usado sob a vestimenta: estruturando e retrátil, dava forma à saia do vestido. O panier entrou na moda por volta de 1720 e dominou a silhueta feminina até depois de 1770, quando a tendencia do naturalismo aboliu tudo que fosse antinatural e surpéfluo.
       Essa silhueta não fugia, contudo, daquilo que vinha se delineando ao longo do período Barroco. Era  no detalhe da superfície que o Rococó se distinguia. Mangas pronunciadas de laço engomado deram vez à leveza de rendas plissadas trabalhadas a mão: os engageantes. Os sombrios tecidos pesados do Barroco perderam lugar para materiais delicadamente harmônicos e ornamentados, com frequência influenciados pela tendencia paralela do Exotismo. Os acessórios, essências, incluíam leques, bolsos ricamente decorados(embora escondidos e, portanto, jamais exibidos em publico), grinaldas e xales. Acessórios feitos com fitas, felpos, plumas e flores artificiais também foram essenciais no estilo Rococó.
     Madame de Pompaduor, uma das principais amantes de Luís XV, personificou e popularizou o estilo. Seus retratos, em que aparece adornada numa nuvem de laços e felpos, Capturam perfeitamente a exuberância da estética Rococó.
      Os homens vestiam-se tipicamente com o habit à francaise, Esse conjunto de casaco justo na cintura, colete e calções era acompanhado por meias de seda, camisa com jabots(babados pendentes na gola) e punhos decorados, além de echarpe de laço elaborado. Tecidos finos, em cores ricas e brilhantes, recebiam ainda acessórios intricados e elegantes.
      Da mesma forma que para as mulheres,  os acompanhantes eram importantes: laços de boa renda e botões decorativos usualmente arrematavam o visual. Ambos os sexos não dispensavam pós para os cabelos, fitas,babados, fivelas no sapatos de salto alto e cosméticos. Essa seria a última vez em que homens e mulheres compartilhariam do excesso decorativo.
      Depois  de 1770, a predominancia do Rococó diminuiu. Na corte, o que havia sido um estilo leve e elegante deu lugar à extravagancia, ao artifício e ao excesso. Fora dela, a insatisfação borbulhante com a mornoquia foi expresso por meio de negação dos estilos da corte, em favor de uma silhueta mais apropriada, natural e livre.





Nenhum comentário: