domingo, 30 de março de 2014

Blusa de moletom: modos de usar

Antes sinônimo de roupa para ficar em casa, o moletom foi alçado ao sucesso graças ao hit absoluto que foi o modelo com estampa de tigre da Kenzo. Agora, peça queridinha das fashionistas, o item garantiu seu lugar ao sol. Ou chuva!



A ordem mundial fashion pede conforto, e nada melhor que o moletom para atender a demanda. Das passarelas internacionais - e, logo, das nacionais também -, para as ruas foi um pulo. Estampas cativantes, aplicações e brilhos foram os responsáveis pelo surgimento do novo hit, que agora tem passe livre também à noite. Use sem medo de ser feliz!

Kenzo, Christopher Kane, Mary Katrantzou.
Foto: Agência Fotosite
Apareceu no desfile de: Kenzo, Cristopher Kane, Mary Katrantzou e, aqui no Brasil, Juliana Jabour. Desde a temporada de verão 2014 o moletom dá as caras nos desfiles e, mais ainda, retornou com força total para o inverno 2015 internacional. Aposte:  o item tem vida longa.

Como usar


Foto: Agência Fotosite
Básico
Em tons neutros, ele deixa um ar mais descontraído. Mas que ganha um toque trendy quando combinado com saias estampadas (abuse também de texturas!) e escarpins.

Foto: Agência Fotosite
Fun
Aproveite o clima divertido que paira sobre a moda e ouse nas estampas. Valem personagens infantis e desenhos multicoloridos. Para dar aquele up, aposte também em acessórios poderosos, do maxicolar à it bag.

Foto: Getty Images
No red carpet
Para provar que a trend vai a todos os lugares, famosas já apostaram no look.  Jessica Alba deu peso à produção com a saia mídi de couro (outro hit da estação), e Lily Collins fez de vestido o moletom Givenchy. Já Elie Goulding investiu no lado jovem da tendência.
Fontes; Elle

sábado, 29 de março de 2014

INSPIRAÇÃO: FRANJAS


Apesar de curtir praticamente todos os estilos de franjas (até as beeem curtinhas), o que fica melhor em mim é a franja usada de lado, curta ou longa. E vocês, gostam ou usam franja? 

Fotos: Reprodução
Fontes Oh, Fhasion!

quarta-feira, 26 de março de 2014

Febre das pérolas

famosas
Já reparou como as famosas adotaram em massa o mesmo brinco de pérolas? Esse pequeno acessório foi lançado pela maison Dior e chamado “Mise en Dior“, item que a nossa menina Maria Fernanda Torres Penedo identificou nas orelhas de Jennifer LawrenceEmma Watson Natalia Vodianova, e por mais difícil que seja de conseguir notar, exceto pela jornalista Renata Vasconcellos, elas aderiram à febre do brinco de pérolas de um lado só.
Mise-en-Dior
Em uma pesquisa no site da marca descobrimos que o acessório foi criado a partir dereferências tribais, e as pérolas feitas em resina resolveram a composição assimétrica, em que duas pérolas – uma grande e outra pequena – acomodam o lóbulo da orelha entre elas. A ideia promete pegar forte, lá no exterior as garotas adotaram a versão da moda genérica, Notamos também que as pérolas deixaram de ser aquela pedra delicada que compunha visuais românticos. Atualmente as garotas modernas adotaram a pérola em acessórios pesados, como acompanhamos nos últimos desfiles da maison Chanel.
Chanel
Fotos: Getty, Dior, apairandasparediy, Style.Fontes petiscos


Com a ajuda do palito de madeira, aplique uma gotinha de cola na tarracha de plástico

terça-feira, 25 de março de 2014

Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo


O que é o Gypsy – Um pouco de história

Alerta de tendência Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo história da moda
Grosso modo, na língua inglesa Gypsy significa Cigano – membro tradicional de grupos itinerantes os quais se originaram no norte da Índia (nota: há controvérsias) e agora vive principalmente no sul e sudoeste da Ásia, Europa e América do Norte.
Simples assim? Não.
Exatamente pela sua natureza nômade, é difícil de estabelecer as origens e localizações geográficas exatas destes grupos itinerantes alcunhados de Gypsies, ciganos, travellers, viajantes, peregrinos, entre outros.
Para simplificar o debate, podemos dizer que há dois “macro-grupos” de Gypsies: Os ciganos “ao pé da letra” e os peregrinos irlandeses. Ambos possuem estilo de vida nômade, mas são oriundos de grupos étnicos distintos. Existe um grande debate acerca de suas histórias, historiadores alegam que o povo cigano possui raízes na Índia, tenho migrado para a Europa no século 13. Já os viajantes irlandeses fazem jus à sua alcunha, ou seja, são primordialmente de origem irlandesa.
Além dos macro-grupos citados, cada clã (família) possui tradições distintas. Entretanto, há algo que inegavelmente está presente em todos os clãs: as cores vivas e a paixão por adornos (acessórios).

Aqui encontramos a deixa para começar a falar acerca do tema principal desta matéria:
O estilo Gypsy como tendência de moda.



Tendência de moda – Estilo Gypsy, o cigano contemporâneo

Alerta de tendência Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo moda
Inspirar-se em grupos étnicos, movimentos culturais e gêneros históricos sempre contribuiu para a criação de novas tendências. Emular o estilo cigano não é novidade na história da moda.
Por volta de 1830 elementos do gypsy e de várias outras culturas foram incorporadas pelos novos artistas franceses insurgidos da revolução, o espírito de anarquia e liberdade da época fazia alusão aos peregrinos (gypsies) e, visto que na época acreditava-se que os gipsies haviam se originado na Boêmia, uma área da Europa Oriental e dos Bálcãs, passaram a se referir aos intelectuais e artistas como boêmios.
O estilo boêmio teve tanta influência que inspirou vários movimentos culturais posteriores como, por exemplo, o Beatnik, o Flower Power, o Hippie (entre outros). Por fim, para enraizar ainda mais o estilo como um statement da moda, Yves Saint Laurent agregou luxo aos elementos étnicos e batizou sua nova criação de Bohemian, termo mais conhecido e utilizado hoje em dia como boho.

Assim sendo, já que o Boho teve raízes no Gypsy, elementos da cultura cigana também foram adotados pelos demais movimentos oriundos do estilo boêmio.



Boho versus Gypsy – Qual é a diferença entre os estilos

Alerta de tendência Estilo Gypsy e boho diferença 2

Há quem diga que Boho e Gypsy são sinônimos. Todavia, não obstante o boêmio tenha emulado características da indumentária cigana, eles NÃO são iguais, são estilos distintos com características semelhantes.

Apesar da estética parecida, tais estilos possuem origens diferentes e, portanto, preservam particularidades.
Ainda abordaremos o Boho com larga propriedade aqui no AB (são 200 anos de história, então se preparem!). Por ora, basta saber: o Boho tem características do Gypsy, mas o Gypsy existe independentemente do Boho. Grosso modo, podemos dizer que o Boho é uma atenuação o Gypsy.
Acreditem, já li em sites conceituados que o gypsy é um estilo inspirado no boho e no folk. Fico boquiaberta em como pessoas se propõem a escrever publicamente equívocos tão crassos!
As raízes históricas do gypsy são bem anteriores ao folk e ao boho atual. Logo, o correto seria escrever o inverso: O boho e o folk possuem inspiração no gypsy.

Alerta de tendência: O retorno do estilo Gypsy à moda

Nas ultimas décadas a alusão ao estilo cigano esteve um tanto adormecida, aparecendo somente em algumas tribos comportamentais e em elementos isolados nas coleções de designers de moda (com exceção do “divo” Pucci).
Contudo os fashion addicts de plantão provavelmente perceberam no ar (e nos sites do nicho, e nas ultimas temporadas de moda, e em fotografias de streetstyle, e no instagram) a overdose de acessórios, overdose de cores, overdose de tecidos e overdose de estampas – Tais fatores caracterizam e ilustram o forte retorno do estilo Gypsy à moda contemporânea.
Enquanto fashionistas já respiravam os ares do gypsy, a recente temporada de desfiles NYFW verão 2014 veio e ratificou de vez a tendência. Grifes como Donna Karan, Anna Sui e Nicholas K, desfilaram modelos altamente inspirados na cultura cigana (bom, a inspiração mor de Nicholas K foram as tribos indígenas, porém mesmo assim suas peças transpassam um “Q” do gypsy)
Nota: destaque para Emilio Pucci, quem em sua coleção Spring Sumer 2012-13 antecipou a tendência e compôs uma das coleções mais lindas que já vi! Dramática, eufórica, opulenta, fetichista – o ponto alto da representação do gypsy sobre o catwalk.
Alerta de tendência Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo Emilio Pucci


Alerta de tendência – Quais são as características do estilo Gypsy

Amores, ao invés de conceitos e regras, mostrarei como pensar a moda Gypsy. Acreditem, assim ficará bem mais fácil de entender o estilo.

Comecemos:
  • Quem aqui já apelou em usar camadas de roupas numa viagem de avião por medo de dar excesso de bagagem?
  • Quem tem o costume de passar o dia inteiro na rua e, por isso, “carrega a casa na bolsa”?
  • Quem aproveita os dias de festa para exibir a maior quantidade possível de adereços e acessórios?
Bom, reiterando o tópico anterior, os Gypsies (ciganos) são povos nômades cuja tradição inclui festas e celebrações.
Já estão conseguindo entrever o paralelo?
Então, para peregrinos, o corpo é a maneira mais prática de carregar seus pertences. Sendo assim, qual é o resultado da vestimenta? Exatamente a overdose de componentes!
Além da característica nômade, as celebrações tradicionais também influem sobre o estilo de roupa utilizada. Festas remetem à alegria e alegria remete às cores.
Pronto, pensando em silogismos conseguimos definir o estilo gypsy sem esforço! O título do livro de Herta Müller, prêmio Nobel de literatura, também serve como bela ilustração da tendência: “Tudo o que eu tenho trago comigo


Tendência Gypsy – Dicas sobre como usar o estilo cigano

A questão aqui não é ensinar-lhes a se fantasiar de ciganos, e sim mostrar como podemos utilizar elementos gypsies no vestuário cotidiano sem parecer que sairemos fazendo quiromancia pelas ruas (nada contra, pelo contrário! Parecer membro de uma autêntica família cigana apenas não é o objetivo de agora…).

- Adorne-se!

Alerta de tendência Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo acessórios
O gypsy perdoa (quase) todos os exageros em balangandãs. A onda do “pulseirismo”, dos múltiplos anéis, dos maxi colares e dos maxi brincos remetem ao gypsy. Contudo, a fim de engrenar ainda mais no estilo, certifique-se que a combinação de acessórios agregue metais e pedrarias.
Um acessório gypsy coringa é o brinco de argola (seja prateado ou dourado, mas seja grande!), item básico no arsenal de jóias de uma cigana.
Você sente que a combinação de roupas fluídas e multicoloridas não lhe cai bem? Apostar em acessórios é a saída para aderir à tendência sem necessariamente lançar mão das roupas características.
Ciganos são freqüentemente retratados usando GRANDE quantidade de jóias e acessórios, mas para uma releitura moderna, isso não é necessário.
Bolsas transpassadas e rasteiras de tirinhas também entram nesta categoria de adornos gypsy.

- Sobreposições e mistura de estampas e tecidos

Alerta de tendência Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo como usar mistura de estampas
Lembram quando, no tópico “Quais são as características do estilo Gypsy na moda”, perguntei-lhes “Quem aqui já apelou em usar camadas de roupas numa viagem de avião por medo de dar excesso de bagagem?” a fim de fazer um paralelo com o método de pensamento da tendência gypsy?
Então, exatamente por ter no corpo o melhor veículo de transporte dos seus pertences, a indumentária dos ciganos é caracterizada pela grande mistura de elementos.
Uma boa forma de trazermos tal característica para a contemporaneidade é exatamente sobrepor peças e misturar estampas sem medo de ser feliz!
Basta harmonizar os tons e ter em mente que o espelho é seu melhor guia. Você se olhou e não gostou do resultado? Então mude! Mesmo que aos olhos dos outros sua mistura esteja deslumbrante, o princípio básico da moda é seguir o SEU gosto pessoal.

- Pele à mostra. Aproveite a moda do cropped!

Alerta de tendência Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo como usar cropped
Tradicionalmente os ciganos são conhecidos por exibir suas figuras com corpetes e tops cropped, mostrando a linha da cintura. Embora os croppeds dos ciganos não sejam tão parecidos com os modelos em voga, os modelos atuais podem ser considerados um up-to-date da versão tradicional.
Você se sente desconfortável com modelos assim? Tente colocar um colete sem mangas por cima! O gypsy emanará ainda mais do look e a barriguinha à mostra ficará mais recatada.

- Lance mão de saias longas e fluídas!

Alerta de tendência Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo saia longa
Este modelo é um clássico da moda, um clássico em termos de conforto e um item que sempre perpassa ares gypsies.
Para as básicas, saias longas em cores neutras já enquadram a tendência.
Para quem gosta de ousar, jogue-se sem medo nas cores fortes e estampas.
Detalhe: é um engano pensar que só mulheres altas e magras podem usar tal modelo de saia. Saias longas alongam o corpo e afinam a silhueta, principalmente se forem de cintura alta.
Dica: Saia longa de cintura alta + blusa cropped resulta numa das combinações mais bonitas da tendência gypsy.

- Lenços são excelente pedida!

Alerta de tendência Estilo Gypsy – o Cigano contemporâneo como lenços com jeans
Item mega versátil, pode ser usado ao redor da cabeça, pescoço e cintura. Experimente também combinar mais de um lenço na mesma produção. Qualquer calça jeans e camiseta branca transformam-se num look gypsy apenas com amplos lenços estampados do redor do pescoço. Tente!




domingo, 16 de março de 2014

A Forever 21 e o Brasil

1. Ouvidos em pé


Kristen Strickler, relações públicas global e gerente de mídias sociais da Forever 21, diz que um dos principais motivos de a marca ter vindo para o Brasil foram os muitos pedidos das clientes brasileiras nas redes sociais. Para quem não sabe, uma das políticas da marca é o 'listening': ''A ideia da empresa é oferecer uma espécie de 'personal shopper'. Hoje, diferentemente de há 30 anos, as pessoas não são ouvidas, nas lojas, sobre seus desejos; mas nós nos mobilizamos para oferecer a elas tudo o que nos é solicitado  através das redes sociais'', contou a RP.
2. Foco do momento
A fast fashion - que conta com lojas no Chile, na Colômbia, na Costa Rica e, agora, no Brasil - está bastante focada no mercado da América Latina. E deve firmar ainda mais seus pés por aqui.
3. Bom, bonito e barato
Templo de compras espertas e econômicas para gente de espírito jovem, a Forever 21 não queria entrar no mercado brasileiro sem que conseguisse praticar, aqui, os mesmos preços do hemisfério Norte. ''Por isso, o processo demorou tanto!'', contou Kristen Strickler.
4. Outras lojas vem aí
A loja do shopping Morumbi, em São Paulo, será aberta ao público neste sábado (15.03) e a do Village Mall, no Rio de Janeiro, no sábado seguinte (22.03). Mas outras cinco serão inauguradas ainda em 2014 no Brasil, uma em cada uma das seguintes cidades: São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Porto Alegre e Brasília - os endereços ainda estão sendo estudados, mas shopping centers são o alvo preferido da Forever 21 em solo tupiniquim.
5. Compras online?
Não há nem previsão nem a certeza de que a Forever 21 vá inaugurar a versão brasileira de seu e-commerce. Mas a assessoria de imprensa da label no Brasil afirma que a hipótese está sendo considerada.
6. Escolha por tendência
Assim como em outros países, as lojas brasileiras serão todas organizadas e divididas por tendências e não por coleções ou ocasiões. Vá direto à sua queridinha da vez.
7. Como a grife enxerga as clientes brasileiras?
Para Kristen Strickler, RP global da marca, a mulher daqui sabe brincar com a moda, é vibrante e gosta de se divertir, além de ser sexy. ''Fizemos a seleção de peças pensando nisso'', disse.
8. Apostas da Forever 21
Kristen acredita que os quimonos e o vestido franjados irão sumir das araras da loja do shopping Morumbi rapidamente, assim como os divertidos tops cropped com print de boquinhas e os acessórios superbaratos.
9. Surpresas diárias
Novos itens serão disponibilizados todo santo dia nas araras das lojas brasileiras. A ideia é que as pessoas não encontrem muita gente usando peças iguais às delas por aí.
10. Minha experiência na loja
Vale a pena visitar a loja do shopping Morumbi. Os preços são ótimos! A peça mais cara custa menos que R$ 200. Há colares desejáveis na faixa de R$ 30; minibolsas fofas a partir de R$ 47,90; o jeans claro e navalhado do street style internacional por R$ 92,90 (e mais outras várias calças de brim neste mesmo valor, aliás); quimonos para a meia-estação por R$ 111,90;jumpers de tweed supercool por R$ 57,90.
O toque dos tecidos é superok. Os sapatos não chegaram até o momento. Eu quero muito vê-los de perto.
Acredito que a chegada da Forever 21 ao Brasil vá, de fato, abalar e movimentar o atual mercado de fast fashion por aqui. Mas, pelo menos neste caso, a meu ver, trata-se de umaconcorrência saudável - principalmente para nós, consumidoras.

Sobre a marca e seu fundador

11. Quando tudo começou
A primeira loja da marca foi inaugurada em 1984, em Los Angeles, batizada como Fashion 21. Segundo Kristen Strickler, RP do grupo, Mr. Chang conseguiu iniciar o negócio porque o ponto comercial estava desvalorizado - já que empreendimentos prévios haviam falido ali.
12. Sucesso imediato
No final de seu primeiro ano de funcionamento, as vendas cresceram de 35 mil para 700 mil dólares. Foi aí que Mr. Chang criou a estratégia de, a cada seis meses, abrir novas lojas, eventualmente mudando o nome delas para Forever 21 - as expansões começaram na Califórnia, depois seguiram para estados como Texas e Flórida e, mais tarde, para países como Canadá e, em seguida, para outros continentes.
13. Quem é Mr. Chang?
O coreano Do Won Chang, CEO da Forever 21, tem 59 anos, e toca esse (hoje) supernegócio, desde que o fundou em 1984. Mr. Chang tem apenas o segundo grau completo e, quando chegou aos EUA como imigrante em 1981, acumulava três empregos; um deles, num posto de gasolina. De acordo com o site da Forbes, ele e sua mulher Jin Sook Chang ocupam a 244ª posição entre os casais mais ricos do mundo e a 90ª entre os mais ricos dos EUA, com uma fortuna avaliada em 5 bilhões de dólares.
14. Tudo em casa
A Forever 21 é uma empresa familiar e as duas filhas do casal Chang também trabalham nela. Desde 2008, Linda Chang (31) cuida dos negócios de marketing, enquanto sua irmã Esther Chang (26), chefia o merchandising visual e participa da curadoria dos produtos com sua mãe Jin.
15. Fornecedores e curadoria
Nenhuma das milhares de peças vendidas mensalmente nas lojas da marca é fabricada pela empresa. A Forever 21 trabalha com uma superequipe de compradores espalhados pelo mundo. ''Um trabalho de garimpo e de olhar calcado em pesquisas feitas em blogs, viagens, passarelas e universo da música'', explicou a RP Kristen Strickler. Quem dá a palavra final sobre o que será ou não comprado pela fast fashion é Jin Sook, coreana radicada nos EUA desde 1981 e mulher de Do Won Chang.
16. A alma do negócio...
O número de compradores que a empresa tem espalhados pelo mundo é um segredo de estado. Nem a RP do grupo tem acesso a essa informação.
17. DNA
A marca trabalha com básicos de pegada trendy e com as principais modinhas. Florais, listras, poás e prints divertidas estão sempre presentes nas araras, assim como acessórios bastante acessíveis.
18. Presença no mundo
A varejista conta com mais de 550 endereços em 34 países do globo. Canadá, China, Colômbia, Costa Rica, França, Hong Kong, Índia, Israel, Japão, Coreia, México, Filipinas e Inglaterra estão entre eles.
19. QGs
Apesar de ter lojas nos quatro cantos do mundo, a Forever 21 possui apenas três escritórios fora de Los Angeles. Um na Holanda, outro na Coreia e mais um no Japão.
20. Coleção de fãs
No Instagram, a marca está prestes a completar 3 milhões de seguidores. No Twitter, tem 1.410 milhões. E, no Facebook, fala com quase 9 milhões de pessoas.
21. Nome e sobrenome
Se você se deparar com uma Forever XXI, e não uma Forever 21, em suas andanças pelo mundo, não se assuste! Saiba que trata-se de uma flagship da fast fashion.

quarta-feira, 12 de março de 2014

Como fazer mechas coloridas no cabelo com giz pastel (sem tintura)



Hoje trouxe uma dica SUPER legal para você que quer ter o cabelo colorido mas não quer que ele fique todo danificado! 
Hair Chalk é uma técnica de coloração temporária com giz pastelque deixa mechas coloridas no seu cabelo por algum tempo e que não danifica tanto o cabelo como tintas e descolorantes!



É muito rápido, fácil e barato e você vai adicionar cores vibrantes ao seu cabelo por UM CURTO PERÍODO DE TEMPO (duração de 1 a 3 dias). Você pode fazer sozinha e não compromete em nada a cor natural do seu cabelo.



O mais legal dessa técnica é que fica como se você tivesse pintando mas depois de uns dias saia e você não vai enjoar! E você pode fazer várias cores diferentes! 


O QUE VOCÊ PRECISA SABER:

NÃO utilize pastéis oleosos, nem os clássicos gizes de cera que usávamos para colorir desenhos na escolinha, tampouco o giz de quadro negro.

Pastéis oleosos não sairão na lavagem e irão “grudar” os fios fazendo com que as mechas coloridas fiquem parecendo dreadlocks.
Giz de cera simplesmente não irá adicionar cor nenhuma aos cabelos.
Giz poroso de quadro negro não possui a pigmentação necessária para colorir seu cabelo!


O giz que você vai usar é o GIZ PASTEL SECO! 

Você encontra vendendo na internet e em algumas lojinhas de artesanato que existem por ai, lembrando que é o giz PASTEL SECO!

COMO FAZER:


  • 1 – Umedeça a área do cabelo selecionada com um borrifador, desta forma a pigmentação será “dissolvida” e, portanto, melhor fixada nos fios.
  • 2 – Segure o giz na posição horizontal e aplique-o na mexa com movimentos de cima para baixo. O movimento contrário acarretará frizz e embaraçará os fios.
  • 3 – Espere secar naturalmente ou com a ajuda de um secador e, com uma escova de cerdas curtas, penteie LEVEMENTE a mecha para retirar o excesso de pó de giz SE achar necessário.

  • 4 – Para que a cor dure por mais tempos, muitos finalizam o processo com chapinha ou babyliss, pois o calor condensa os pigmentos fixando-os entre as cutículas do fio e, por consequência, prolongando a duração da cor.



Não é fácil? A coloração vai saindo com a lavagem e em 3 dias no máximo seu cabelo já está na cor normal de novo!






Fonte: Princess jujube